Dia Internacional do Cooperativismo (2/7): parcerias ampliam inclusão tecnológica no campo brasileiro

Dia Internacional do Cooperativismo (2/7): parcerias ampliam inclusão tecnológica no campo brasileiro

Apesar de a economia colaborativa estar se tornando uma tendência cada vez maior, a importância das cooperativas no mercado agrícola já vem de longa data. Hoje, são mais de mil e quinhentas organizações espalhadas pelo país, auxiliando trabalhadores rurais em suas produções e vendas. Dentro desse papel, as cooperativas do agronegócio também estão se envolvendo na disseminação de tecnologias e na aproximação dos pequenos e médios agricultores com uma cultura de inovação.

De acordo com uma pesquisa recente realizada pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), mais de 80% dessas organizações consideram a inovação um fator fundamental e já incluem essa temática em seus planejamentos estratégicos. Por meio da oferta de produtos, serviços e capacitação aos associados, elas apoiam a inclusão tecnológica e visam promover a melhoria dos processos produtivos. 

Para isso, muitas contam com parcerias de fornecedores, como a divisão de Agricultura da Hexagon, que desenvolve soluções digitais para o campo. Atualmente, a empresa atua em parceria com três cooperativas, que fazem a comercialização de equipamentos com seus mais de 57 mil associados, gerando aumento de eficiência operacional e contribuindo para o desenvolvimento do agronegócio brasileiro.

“As cooperativas parceiras são como embaixadoras da nossa marca, ajudando na criação de uma rede que traz consistência às vendas e de um ambiente que deixa claro os retornos do uso da tecnologia”, explica o presidente da divisão de Agricultura da Hexagon, Bernardo de Castro. “É inegável que a maioria dos produtores não possui o mesmo poder aquisitivo de grandes corporações, mas isso não significa que não possam ter acesso a tecnologias para solucionar suas dores — e é essa mensagem que as cooperativas têm buscado espalhar. Hoje, o mercado oferece equipamentos modernos capazes de melhorar a eficiência e reduzir custos e desperdícios em qualquer tipo e tamanho de operação”, complementa.

A divisão oferece capacitação técnica e comercial dos seus produtos, explicando suas características para que cada parceiro conheça as potencialidades da tecnologia e seja capaz de explorar ao máximo suas capacidades junto aos cooperados. “Manter as equipes dos parceiros sempre atualizadas e treinadas sobre o uso e adoção das nossas tecnologias é o nosso foco principal. Desta forma, garantimos que a tecnologia alcance e auxilie o maior número de cooperados”, aponta Bernardo. 

Entre as soluções desenvolvidas pela empresa, há ferramentas tecnológicas que atuam desde o planejamento do cultivo até o transporte da colheita, incluindo monitoramento de processos e automação de máquinas.  Hoje, os produtos da Hexagon já estão em operação em 36 países pelo mundo.

No Brasil, 84% dos agricultores utilizam, pelo menos, uma tecnologia digital em sua produção. O dado foi publicado em 2020 pela pesquisa “Agricultura digital no Brasil: tendências, desafios e oportunidades”, realizada pela Embrapa, Sebrae e INPE. Neste levantamento também estão registrados os principais motivos que levam agricultores a aderirem soluções tecnológicas. Dentre eles, as três respostas mais recorrentes são: obtenção de informações e planejamento das atividades da propriedade (66%), gestão da propriedade rural (43%), compra e venda de insumos, de produtos e da produção (40%). 

Mas, mesmo que a tecnologia digital tenha significativa participação no agronegócio, 47,8% relatam que há problemas ou falta de conexão em áreas rurais, impossibilitando o real funcionamento e eficiência dessas soluções, o que também explica a resistência do setor em utilizar soluções que estão integralmente na nuvem. Olhando para essa especificidade, a APIPASS, uma Plataforma de Integração como Serviço (iPaaS), desenvolveu um serviço que realiza integração entre sistemas, softwares e aplicativos, com opção de implementação em nuvem dedicada da APIPASS, na nuvem que o negócio já utiliza ou em seu data center.  

Para Valdemir Silveira, cofundador e CEO da APIPASS, ter a integração de todos os sistemas funcionando localmente atende perfeitamente esse segmento. “No contexto de uma cooperativa, temos um número expressivo de cooperados que dependem dos sistemas legados da associação. Seja ERPs, sistemas de processamento de pedidos, financeiros, etc, há uma gama de softwares que, muitas vezes, não funcionam de forma integrada. Isso ocasiona em lentidão do processamento de informações, problemas de acesso a informações e, consequentemente, dificuldade na tomada de decisão estratégica”, explica. 

Atualmente, a APIPASS atende diversos negócios no segmento, dentre eles a Copercampos, cooperativa agrícola fundada em Campos Novos (SC), em 1971. Com 51 anos de trajetória, possui mais de 85 unidades espalhadas em 33 municípios de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Além disso, conta com 1.700 associados e mais de 1.500 funcionários. “No início de 2019 iniciamos um projeto muito interessante com a Copercampos. A cooperativa precisava realizar 29 integrações entre sistemas de vendas, logística, financeiro e ERP, para otimizar o controle de fornecedores, ordens de compras, estoque e centros de custo. Todas as integrações foram efetuadas em dois meses, um tempo 80% mais rápido que a média do mercado”, relembra Silveira. 

Cooperativas de crédito rural foram responsáveis por mais de R$ 467 bilhões em transações financeiras desde o início das operações da CashWay, techfin de Florianópolis/SC. O valor corresponde a 90% do total transacionado desde 2019 na plataforma, que oferece serviços em tecnologia para gestão e regulação de instituições financeiras e de pagamento, dentre elas cooperativas de crédito. Com o propósito de democratizar os serviços financeiros, a techfin tem ajudado a levar para o interior do país acesso à tecnologia com benefícios como crédito, conta e transações bancárias aos pequenos e médios produtores rurais. 

“Nosso objetivo é que a solução da CashWay possa atender quem se encontra  fora do eixo, levando recursos de grandes bancos, mais crédito e uma tecnologia simplificada e ágil a cooperativas de crédito rural, que atendem, na maior parte, pequenos e médios produtores”, explica o CEO da CashWay, Felipe Santiago. 

O investimento em tecnologia foi o ponto de partida para a expansão da Crediseara, cooperativa de crédito rural de Santa Catarina. A instituição registrou aumento de 43% no número de associados de 2018 a 2020. À época, eram 3.894 cooperados e hoje são 5.582 agricultores, empresários, assalariados e aposentados que contam com os benefícios da organização. O crescimento impactou também nos valores administrados. Em 2018, a Crediseara fechou o ano com R$ 96.137.700,82 em ativos, que passou para R$ 133.575.261,81 em 2020 – um aumento de 38% em apenas três anos. O impacto nas sobras, valores líquidos divididos com os associados em forma de cota capital, foi ainda maior. O ano de 2020 fechou com R$ 2.505.035,49, 57% a mais que os R$ 1.593.457,86 de 2018. 

Segundo o diretor administrativo da Crediseara, Ademilso Auziliero, a expansão da cooperativa até o ano de 2017 era muito contida. Para ele, atualmente, é difícil atingir uma escala de negócios sem tecnologia. “A CashWay nos possibilitou essa expansão por ser um sistema de fácil adaptação e entregar o que propõe: agilidade no operacional e na parte de front. O associado vem na cooperativa quando precisa de atendimento e tem um sistema que traz facilidade para as operações, como análise de crédito, por exemplo”. A solução da CashWay permitiu à Crediseara fomentar as atividades com ofertas de crédito, investimentos, conta corrente, pagamentos de títulos, convênios, recargas de celular, seguros, entre outros.

Em meio a demissões em startups, holding de investimentos pretende chegar a 900 contratações até dezembro

Em meio a demissões em startups, holding de investimentos pretende chegar a 900 contratações até dezembro

A alta global dos juros básicos e os efeitos ocasionados pela guerra na Ucrânia são fatores que fazem o mercado investidor ir em busca de ativos de uma forma mais segura, tais como renda fixa ou investimentos em empresas consolidadas. Por consequência, o ecossistema de inovação enfrenta dificuldades no levantamento de capital tendo que cortar custos, o que resulta em uma grande onda de demissões. O movimento, que ainda se encontra em fase inicial nos Estados Unidos, já apresenta fortes impactos no Brasil. Kavak, Loft, QuintoAndar e Olist são apenas algumas das startups que recentemente aderiram ao desligamento em massa de colaboradores.

“Até este ano havia um aquecimento no setor que contribuiu para uma concentração excessiva de capital nessas empresas, que se viram pressionadas a entregar diversas frentes de produtos ao mesmo tempo. No entanto, a situação econômica global tende a deixar os orçamentos de organizações com base tecnológica mais apertados nos próximos dois anos, o que afeta a mão de obra porque, em momentos de escassez de recurso, os projetos costumam ser descontinuados e isso faz com que times inteiros de TI sejam desligados”, avalia Daniel Abbud, CEO e sócio-fundador da 7Stars Ventures, holding de investimento em startups em estágio inicial.

Segundo o executivo, essa nova fase do ecossistema vai mexer em um problema antigo no setor: a estrutura entre oferta e demanda. “Esse sistema sempre permaneceu em desequilíbrio. Enquanto havia muitas necessidades a serem supridas no mercado, a falta de profissionais qualificados era evidente. Acredito que daqui para frente essa distorção vai continuar, mas com correções importantes”, ressalta. Em relação aos cargos que mais sofrem com o apagão de talentos, o CEO cita programadores, cientistas de dados, designer UX e líderes c-level.

Com o intuito de impulsionar a escalabilidade de suas mais de 15 startups investidas, a 7Stars encontrou caminhos para se adaptar a todo esse contexto. O primeiro passo tomado a fim de driblar a falta de profissionais de TI foi o desenvolvimento de um centro de excelência. “Percebemos que falar ao mercado como holding tem um impacto diferente de quando é a investida falando por conta própria. Então, decidimos formar um time de recrutadores especializados em TI, que mantém um contato constante com os profissionais do setor sobre a nossa cultura e as oportunidades em aberto, criando um mapeamento altamente qualificado de pessoas dispostas a se engajar com as nossas causas”, explica Abbud.

Em seguida, a holding dedicou-se a desenvolver um recrutamento diferenciado com foco em talentos tanto de tecnologia quanto de outras áreas que queiram atuar em empresas de base tecnológica. “O conhecimento técnico não é um pré-requisito porque nós valorizamos o fit cultural. Ao identificar no profissional uma aderência a nossa cultura, abrimos as portas e proporcionamos um desenvolvimento comportamental e técnico dentro da área em que será inserido”, pontua o CEO. A capacitação que visa trazer mais autoconfiança e segurança ao novo colaborador no dia a dia corporativo acontece por meio do 7Stars Academy.

Ao todo, nos últimos quatro meses as iniciativas renderam 200 contratações desde níveis básicos a C-level, sendo que a intenção é promover mais 700 até o final do ano, alcançando 900 posicionamentos nas investidas.

Mininovelas do Kwai são novo formato de entretenimento pelo celular

Mininovelas do Kwai são novo formato de entretenimento pelo celular

Com produções roteirizadas, que vão do suspense ao humor, drama à ficção científica, as mininovelas e minisséries são os novos formatos de entretenimento que têm conquistado cada vez mais os usuários do Kwai, app de criação e compartilhamento de vídeos curtos. 

De acordo com os  dados do Kantar IBOPE, o Brasil é um dos países da América Latina que mais consome telenovelas. Além disso, é o terceiro país que mais usa redes sociais no mundo, com média de 3h42 por dia, de acordo com estudo feito pela plataforma Cupom Válido, que reuniu dados da Hootsuite e WeAreSocial. Com essa união das duas preferências nacionais, as mini ficções do Kwai se destacaram e conquistaram espaço no entretenimento do público.

Chamado de TeleKwai, o novo programa de produção de conteúdo é feito exclusivamente para a plataforma e foca na criação de dramaturgias no formato vertical, em episódios de até dois minutos, como alternativa para quem consome conteúdo pelo celular. Na plataforma a tag #TeleKwai já reúne mais de 12 milhões de visualizações e 451 mil postagens. “Com esse novo e inovador segmento do audiovisual, queremos tornar o Kwai um novo lugar de entretenimento rápido e gratuito, que permite o acesso a conteúdos em diversos períodos do dia, seja nos momentos de lazer ou nas pausas do trabalho”, comenta Mariana Sensini, diretora geral do Kwai Brasil.

O projeto é realizado em parceria com agências, produtoras e criadores de conteúdo audiovisual. O Kwai atua como consultor, dando suporte e apoio aos parceiros, que são responsáveis pela pré-produção, produção e pós-produção dos vídeos. Além disso, a plataforma desenvolveu uma funcionalidade inédita para aplicativos de vídeos curtos, que permite a publicação de vídeos em uma sequência específica. 

De acordo com Mariana Sensini, esse é um formato adaptado às novas tendências de consumo de conteúdo pelo celular. Os vídeos abordam histórias sobre conflitos do cotidiano, temas relevantes para a sociedade relacionados a questões sociais e relacionamentos.  Podem incluir um começo, um meio e um fim, ou fazer parte de um arco narrativo maior com diversos episódios curtos. ”São histórias reais, criadas por pessoas reais. O brasileiro se identifica muito com os enredos, principalmente quando tem um formato mais motivacional, uma descoberta interessante sobre aquela história ou uma reviravolta que todo mundo estava torcendo para que acontecesse. Isso  tudo em dois minutos”, afirma a diretora.

Além disso, é um formato revolucionário de produção de conteúdo, com um modelo de negócio criativo e totalmente adaptável. As marcas interessadas podem co-produzir conteúdos, desde o momento de concepção até a execução final do projeto. Ou mesmo patrocinar as ficções curtas que já foram produzidas ou estão em processo de produção. 

Mininovelas e minisséries por todo país

Com produções de diferentes gêneros e histórias que falam diretamente com a população brasileira, o TeleKwai reúne mininovelas de diversos estados do Brasil. 

Na cidade de Chapadinha, no interior do Maranhão, quatro criadores se destacam com mais de 51 milhões de visualizações. Jardiel da Silva Barbosa (Na Atividade!), Ana Clara Mendes da Cruz (Um Novo Começo), Rai Souza da Cruz (Histórias da Minha Vida) e Robson Ferreira da Conceição (Momentos de Inspiração) são responsáveis pelos roteiros, gravação, edição e divulgação de suas criações na plataforma. Os vídeos abordam sobre os conflitos do cotidiano, temas que são relevantes para a sociedade relacionados a questões sociais e relacionamentos. 

Já na região sul do país, em Balneário Camboriú – SC, Juliana Martins e Mederi Corumbá, que são sócios na produtora Good Vibes e criadores dos canais Galo Frito e 5 Alguma Coisa, reúnem mais de 9 milhões de visualizações no Kwai com os perfis Amiga InimigaMeu CasalCoisa de MãeMeu Patrão e Pai sofre. Eles produzem roteiros cômicos pensados para atingir diferentes faixas etárias e gostos, que contam com histórias de confusões de família, amizade, namorados, sogra e trabalho. 

Além da comédia, há perfis que buscam levar lições de vida. O catarinense, criador e produtor, Felipe Filipini (Família em Série) reúne cenas de histórias emocionantes com mensagens positivas e motivacionais. Ele atua junto a sua esposa Alexandra Filipini e a filha Brenda Filipini, de apenas 6 anos. Seus vídeos já somam  mais de 47,5 milhões de visualizações no app.

Em São Paulo a DR Produtora, do diretor Phil Rocha, reúne cerca de 69 milhões de visualizações nos perfis O Lado ObscuroA Nossa HistóriaHistórias de AmorMensagem Inesperada e Abra o Coração, com mininovelas que abordam temas com reviravoltas, histórias sobrenaturais e encontros e desencontros amorosos. 

Para o ator e diretor Felipe Reis, que também trouxe diferentes gêneros e assuntos em suas produções DistopiaMeu Chapa, GuruFala ComigoGolpistas! e Câmera de Insegurança, quanto mais espaço e oportunidades surgirem para a produção de conteúdo audiovisual, principalmente fora do eixo de grandes produtoras, melhor. “Estar junto ao Kwai nesse início de uma nova era da ficção, é motivo de muito orgulho pra mim. É uma oportunidade para profissionais talentosos, e que até agora não tiveram uma boa chance de mostrar seu trabalho. Até agora, passaram mais de 20 atores nas minisséries que fizemos. É uma nova engrenagem que vem surgindo aí”, comenta Felipe que tem mais de 6 milhões visualizações em suas minisséries e mininovelas para o Kwai.

Como a transformação digital pode destravar o crescimento do seu negócio

Como a transformação digital pode destravar o crescimento do seu negócio

O mundo tem investido cada vez mais no digital. Prova disso é o resultado da pesquisa do IDC América Latina, que mostra 58% das organizações de médio e grande porte investindo em tecnologia para o aumento da produtividade. E engana-se quem pensa que isso se resume à adição de tecnologias no dia a dia. A transformação digital vai além. As tecnologias atribuem um novo potencial ao crescimento das pequenas e médias empresas, eliminando as barreiras que antes as desestabilizavam. É um processo de disrupção de antigos paradigmas e operações e, é necessário que a empresa passe por mudanças significativas de estrutura, comportamento e mindset. E digo mais, essa adesão pode salvar negócios que estavam fadados ao fracasso.

Ao entrar para o mundo digital, a tecnologia passa a ter um valor estratégico de negócio dentro da empresa e todas as áreas se associam a esta nova realidade. É um processo que vai melhorar o desempenho, aumentar o alcance e garantir melhores resultados. Um exemplo é a adesão aos sistemas de gestão na nuvem, que deixaram de ser tendência para se tornarem aliados dos empreendedores. Fundamentais para tornar as empresas mais ágeis e eficientes, os sistemas mais modernos oferecem, ainda, um ecossistema completo de soluções. 

Com as ferramentas digitais, é possível facilitar o acesso aos produtos, conhecer os gostos e preferências do seu público-alvo, construir estratégias específicas e melhorar suas demandas. E com um sistema de gestão personalizável, tudo fica possível por meio de poucos cliques. Implantar a digitalização é ganhar produtividade. O retorno desse investimento é sentido rapidamente com o aprimoramento da relação entre as empresas e seus clientes. Em meio à era da transformação digital, revolucionar o sistema de gestão se fez – e se faz – necessário.

Mas, para que essa (re)evolução aconteça, é preciso construir novas estratégias e mirar novos horizontes. Aderir à transformação digital é fundamental para que seu negócio acompanhe as demandas do mercado, que está cada vez mais exigente e mais conectado a seus direitos e deveres.

Acredito que para qualquer negócio ter prosperidade, são necessários três pilares-base: um bom software de gestão, educação empreendedora e serviços financeiros que apoiem e ofereçam soluções para a gestão de pequenas e médias empresas. Se tudo isso for integrado em um único software, melhor ainda.

Também é preciso que as empresas ampliem o uso da tecnologia para destravar os processos dos negócios locais. Seja qual for o segmento de atuação, para crescer e ter cada vez mais relevância, deve-se acompanhar a atualidade, que é movida à transformação digital. E agora que você já sabe dessa importância, que tal pensar em um sistema ERP para impulsionar ainda mais o seu negócio?

*Gabriel Siqueira é Diretor de Tech Ventures da Omie, empresa líder no mercado de plataforma de gestão (ERP) na nuvem 

Startup cria tecnologia que ajuda pequenos comerciantes a se conectarem com grandes marketplaces

Startup cria tecnologia que ajuda pequenos comerciantes a se conectarem com grandes marketplaces

Há quem precise de dias inspiradores para ter boas ideias, e existem pessoas como Vitor Lima e Cláudio Dias. Tudo começou na casa de Lima, o empresário, de 30 anos, que transformou uma pequena crise gerencial em um enorme salto de carreira e de vida. Foi em 2018, num dia de rotina, quando ele trabalhava como desenvolvedor em uma empresa e vendia alguns produtos nos marketplaces como forma de geração de renda complementar. A mãe, de 70 anos, ficava responsável pelo envio dos pedidos, mas, diante do volume – algo em torno de 300 pedidos por dia – ela acabava se atrapalhando em alguns processos. O resultado: pedidos cancelados e prejuízos.

Diante do problema, nasceu a solução. Vitor desenvolveu uma plataforma de gerenciamento e automatização dos produtos vendidos de maneira on-line. A solução que foi usada “em casa” por um ano e tinha o quarto do Vitor como escritório, e escalou rapidamente. Em uma parceria com Cláudio Dias, que já atuava em consultoria para e-commerce, nascia o Magis5, empresa que hoje tem 65 colaboradores, registra um crescimento médio de cinco vezes por ano e projeta crescer 320% até o final de 2022 e ultrapassar os R$ 4 bilhões em valores transacionados.

“Saímos de um faturamento anual de R$ 700 mil em 2020 e crescemos cinco vezes esse número em 2021, com um média de 10% ao mês”, diz Vitor, CTO da Magis5. “Começamos em 2018 muito simples. Foi quase um salto no escuro e realmente um desafio. Mas deu tudo certo”, completa Dias, o amigo que se tornou CEO da startup.

A empresa já atende centenas de vendedores brasileiros e das 4.500 lojas conectadas aos marketplaces, tem um portfólio de clientes de respeito, contando com os maiores vendedores das empresas Mercado Livre, Amazon e Olist, players gigantes no mercado de vendas online. Recentemente, fechou também com o AliExpress e recebeu o certificado de integrador diamante no Magazine Luiza. “O volume de vendas dos nossos clientes varia entre 600 e 150 mil pedidos por mês”, compartilha Vitor. A Magis5 bateu recordes de transações em valores: foram R$ 1,2 bilhões na plataforma (em 2021) e a expectativa é a de ultrapassar neste ano a marca de R$ 4 bilhões. Apenas no primeiro trimestre deste ano, a empresa já bateu os 540 milhões. 

Números robustos que, sem querer, pegaram carona com a pandemia. O impacto na saúde, que obrigou a população a ficar em casa, mudou a forma de comprar. Hoje, quase 80% das vendas on-line do Brasil passam pelos marketplaces. Dados da Neotrust mostram que em 2021 faturou R$ 161 bilhões, uma alta de 27% em relação a 2020.

No dia a dia de quem trabalha com o negócio, a solução proposta pela Magis5 significa qualidade de vida, exatamente aquela que certamente buscava a mãe do Vitor, no alto de seus 70 anos, lá em 2018. “Nosso propósito é ser muito mais do que um simples integrador de marketplaces. Nos posicionamos como um hub de automação que economiza tempo e dá liberdade para os vendedores”, destaca o criador da solução. Um dos maiores influenciadores do mercado de e-commerce, Igor Savoia, comenta que seus funcionários começam o trabalho às 6h da manhã e eram necessárias várias pessoas para cuidar do envio dos produtos, com muitas fases de processos manuais. Com o Magis5, os colaboradores iniciam a jornada 1h30 mais tarde, gerando uma economia de até 8 horas extras diárias e um quadro funcional de apenas duas pessoas no setor de Expedição.

Em quatro anos, a Magis5 subiu de posição no universo do e-commerce. Como um Hub de Integração, faz interface de grandes ERPs, como Bling, Omie, Tiny, SAP e TOTVS, além dos principais marketplaces do País, gerenciando toda a operação do vendedor a partir de um único painel de maneira centralizada e automatizada. Na plataforma, é possível criar anúncios de uma só vez, automatizar a impressão de notas fiscais e etiquetas de forma conjuntas, controlar estoques de CNPJs no mesmo dashboard, precificar produtos e obter relatórios. Magis5 é uma RetailTech B2B que atende pequenos, médios e grandes vendedores. “Procuramos oferecer a mesma tecnologia utilizada pelos grandes vendedores para os pequenos e médios, desta forma temos certeza que os nossos clientes vão utilizar a plataforma por muito tempo, uma vez que entregamos  valor ao negócio e trabalhamos com o cliente dia e noite para que isso aconteça”, sinaliza Cláudio.

Pin It on Pinterest