Saiba mais sobre a Clubhouse, rede social que virou febre entre os brasileiros

Saiba mais sobre a Clubhouse, rede social que virou febre entre os brasileiros

Por  *Vinícius Taddone 

O Clubhouse é a rede social que está deixando o brasileiro maluco pela descoberta. Vou explicar para você de que se trata essa rede tão viciante que todos estão falando.

O que é o Clubhouse?

Uma rede social de áudio. Não tem texto, nem foto, nem vídeo. Apenas áudio. Se assemelha a uma rádio de notícias, mas com todos seus ídolos influenciadores digitais, amigos ou artistas que você segue.

Como faço para entrar?

Primeiramente tem que ter iPhone. Exatamente! Por enquanto, apenas funciona na versão IOS.Ao baixar o App na AppStore, você já pode fazer um login e garantir o seu “@“. Essa é a primeira dica que deixo aqui para você.Mas isso não basta. Pois, sua entrada só se concretiza quando alguém que já está na rede, atribua um acesso de permissão a você.

Sentimento de Exclusividade

Como neste início, as entradas estão restritas, gera um efeito de exclusividade nas pessoas. Essa sensação de pertencimento e de permissão ao restrito, está deixando as pessoas enlouquecidas. Quando você entra para a rede, você consegue 2 convites apenas para chamar, 2 pessoas que você quiser à rede.

Mas conforme seu engajamento, ou seja, participando das salas de bate-papo, você pode conseguir mais convites.

A Interface

Conta com um estilo hype alternativo. A interface é minimalista e bem intuitiva. O que ajuda e é favorável a quem entra, embora apenas esteja disponível no idioma inglês. (Para alguns isso pode ser um problema).Como nas outras redes você cria seu perfil, mas o diferencial é que sua bio pode ser mais extensa. Você pode incluir bem mais caracteres do que o Facebook, por exemplo.

Não funciona hashtags, até porque é uma rede social para você falar!

Permite apenas conexão com Instagram e Twitter. E muito legal mostrar quem foi que te fez o convite. Não se um dia isso irá desaparecer, mas isso engrandece sua conexão e achei bem simpático da rede.

A febre

O Clubhouse está se popularizando por aqui aqui no Brasil, neste último fim de semana, mas a rede foi lançada em Abril de 2020.

Claro que conta com perfis importantíssimos como de Elon Musk e Mark Zukerberg, e o mais louco é que você pode ouvi-los se estiverem na mesma sala.Avaliado em cerca de 1 Bilhão de dólares, já possui cerca de 6 Milhões de usuários. Já se encontra como o App mais baixado na semana.

Como aproveitar à rede para os negócios?

Trabalhe para aumentar suas conexões e participar de temas que tenham sinergia com você e seu negócio.Peça permissão e contribua com sua opinião sobre os assuntos. Mostre seu potencial e divida seu conhecimento. É uma ótima forma de construir sua autoridade.

Chame pessoas que queiram participar de uma discussão sobre determinados temas e monte uma sala, uma excelente oportunidade de interação.

PodCasts estão em alta… que tal ter o seu, de graça, com o Clubhouse?

Você pode concretizar a vontade em ter seu próprio PodCast. Único ponto, é que não ficam gravados episódios ou discussões.

Mas aproveite a adrenalina do AO VIVO.

Agende um evento, com tema, data e hora, e divida seu conteúdo!

Tem sala que vale mais do que um MBA

Reveja o print acima onde mostro as pessoas na sala. Só neste frame entenda o que quero dizer.Quanto custa uma palestra de Flávio Augusto ou Cris Arcangeli? Junte com ícaro de Carvalho, Marcos Paulo e Carol Cantelli. O poder de reunir grandes referências, interagindo sobre negócios, empreendedorismo e marketing digital, podem te trazer insights fantásticos. E de graça!

Vinícius Taddone fundou a VTaddone Studio em 2011 com intuito de ajudar pequenas e medias empresas que necessitam de Marketing diferenciado para crescimento de receita. Taddone passou por agências de turismo, e a última, ocupou o cargo de Coordenador de Marketing por 6 anos. Ele é bacharel em Planejamento de Marketing, Turismo e possui MBA em Marketing todas conquistadas pela Universidade Anhembi Morumbi. Possui as certificações em Marketing Digital na Prática (Endeaver), Java Script, Lógica em Programação e Flash CS3 pela Impacta Tecnologia e tem experiência em Marketing Workshop na Walt Disney World Resort em Orlando.

O carro da Apple vem aí

O carro da Apple vem aí

Por Bruna Boner e Cristina Boner

Já se sabe que a Apple está planejando um investimento de 3,6 bilhões de dólares de dar água nos olhos na Kia Motors para aumentar a capacidade de produção de seu carro Apple há muito tempo, compartilharam Bruna Boner e Cristina Boner. O relacionamento supostamente veria a Kia usar sua instalação nos EUA, com base na Geórgia, como centro de produção.

A Kia, que faz parte do conglomerado Hyundai Motor Group, pode fazer parceria com a Apple para fabricar os primeiros Apple Cars até 2024, produzindo 100.000 automóveis por ano quando a fabricação está em pleno fluxo.

A especulação em torno do Apple Car tem sido abundante: acumulando-se por toda parte, os relatórios há muito sugeriam a incursão da Apple em automóveis, desde o anúncio do Projeto Titan em 2014. O Projeto Titan é o esforço da gigante de Cupertino para desenvolver um sistema sem motorista – a Apple automóvel autônomo seria, em teoria, uma atração massiva para os consumidores. De acordo com Cristina Boner e Bruna Boner, esse sistema sem motorista atrairia usuários que não apenas veem a Apple como uma opção de estilo de vida, mas uma marca confiável que poderia fornecer um perfil de segurança confiável para a tecnologia sem motorista.

Ele tem como pano de fundo notícias importantes sobre locações do gigante da tecnologia. A Apple recentemente contratou o vice-presidente de desenvolvimento de chassis da Porsche, Dr. Manfred Harrer, para ajudar a converter as ambições do Projeto Titan em um veículo completo (via 9to5mac ). A notícia do recrutamento proeminente acrescenta peso real à viabilidade de um carro da Apple, especialmente à luz de tantos boatos.

A união entre Kia e Apple é um marco para a eventual realização de um modelo de carro da Apple. O analista da Apple, Ming-Chi Kuo, sugeriu que a parceria verá a Apple cooptando a plataforma de veículos elétricos com bateria E-GMP da Hyundai, que forma a base existente dos futuros carros elétricos do Grupo e se distingue por sua eficiência.

A Apple já mergulhou nos automóveis antes, apenas com o Apple CarPlay, que pega seus aplicativos favoritos para carros e os transmite diretamente para a tela sensível ao toque do seu carro. Agora parece que a empresa mudou de marcha, finalmente chegando mais perto de tornar o tão esperado Apple Car uma realidade. Cristina Boner e Bruna Boner contam que a escolha do melhor aparelho de som CarPlay pela T3 deve ajudar a encontrar um novo espaço para transmitir suas músicas favoritas enquanto estiver na estrada.

O boato da Apple tem nos impressionado de todos os ângulos recentemente: cobertura da T3 de grandes atualizações de câmera que parecem prestes a chegar ao iPhone 13 da Apple , e até fala-se de um lançamento iminente de AirTags da Apple, após a descoberta de um recurso oculto incomum no Safari. O caminho à frente parece movimentado para a Apple com suas inovações constantes.

Talvez possamos até ver AirTags da Apple com acessórios para um modelo de carro da Apple, uma espécie de chave sobressalente ou rastreador escondido para funcionar contra roubo; você deve se lembrar da cobertura do T3 do recurso de chave digital do carro, permitindo que um dispositivo como o Apple Watch Series 6 desbloqueie seu carro em algo simplesmente mágico. Bruna Boner conta que um carro da Apple ofereceria oportunidades infinitas de integração com o ecossistema mais amplo da Apple e a T3 certamente está entusiasmada com as muitas possibilidades de gênio técnico que esse veículo abriria.

A transformação digital não precisa ser forçada!

A transformação digital não precisa ser forçada!

Por Fabiano Falvo, Head de Produto da Neo

O ano de 2020, apesar de muito difícil para a economia mundial, foi um ano muito produtivo, agitado e com ótimos resultados para as empresas brasileiras de tecnologia. Segundo pesquisa da IDC, o setor de TI cresceu 5,5% na América Latina, e tem previsão de alta de 7,7% neste ano.  Um dos motivos foi que a tão falada transformação digital teve de acontecer, seja naturalmente ou “na marra”. 

O comportamento humano tem mudado rapidamente, principalmente se olharmos para esse movimento de implementação tecnológica realizado sobretudo pelas empresas de varejo, como quiosques de autoatendimento, checkouts móveis, compra pela web e retirada na loja etc. Com a pandemia, muitas companhias tiveram de rever e mudar rapidamente seus processos e até modelos de negócios para sobreviver e poder atender aos clientes de forma estruturada e segura. Ao avaliarmos essas mudanças, notamos uma série de oportunidades para a criação de infoprodutos – que têm surgido cada vez mais e com mais frequência – para atender demandas antes reprimidas ou para melhorar processos que já utilizavam algum tipo de tecnologia, mas não em escala suficiente para contar com processos automatizados.

Antes de sair ao mercado em busca de soluções, a  pergunta importante a se fazer é: “o que eu preciso e qual a melhor solução para o meu negócio?” Uma coisa, porém, é certa: todas as empresas precisam de tecnologia para evoluir, principalmente num momento tão complexo e cheio de incertezas – e que exige esse tipo de soluções em um panorama de isolamento social. Definir fluxos, aprovações e fechamento de contratos com agilidade, segurança e sem deixar a obrigação jurídica de lado em nenhum momento (sobretudo após a adoção da LGPD) é um desafio e tanto.

Ferramentas como a iGree utilizam tecnologias de ponta para oferecer às empresas processos que, uma vez automatizados, facilitam o dia a dia de todo o ciclo de pessoas envolvidas em validações e confirmações de clientes, parceiros, colaboradores etc. A plataforma oferece processos de onboarding digital e assinatura de acordos digitais seguindo todas as exigências e boas práticas regulatórias, além de oferecer também a customização de processos sem a necessidade de intervenção na construção do seu código fonte. Com isso, as empresas podem definir – no próprio painel administrativo – qual será o processo que mais se adequa ao seu fluxo de validação de clientes e assinatura de acordos.

5 lições que podemos aprender com as empresas mais inovadoras do Brasil

5 lições que podemos aprender com as empresas mais inovadoras do Brasil

O Brasil conta com empresas inovadoras em variados setores. Frequentemente, algumas listas, de instituições renomadas, são divulgadas, indicando as mais inovadoras do país. Para quem deseja ter sucesso em seus negócios, a ANPEI (Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras) lista as cinco lições-chave que empreendedores, pesquisadores, trabalhadores e cidadãos podem aprender com tais companhias. As dicas vão desde a aplicação de tecnologia e aquisição de ferramentas tecnológicas até questões de gestão.

  1. Eficiência energética

A energia é um dos recursos mais importantes para a vida moderna. Sem ela, grande parte das atividades que exercemos é impossível de ser executada. Dessa maneira, empresas que prezam pela eficiência energética, isto é, conseguem desenvolver serviços e produtos de forma eficiente, consumindo pequena quantidade de energia, têm um melhor desempenho. 

Além de cumprir com as exigências legais, as companhias podem garantir essa eficiência energética por meio de pesquisa e adoção de fontes alternativas de energia, como eólica e solar. Outro elemento importante são os dispositivos inteligentes, que reduzem o consumo de energia quando é possível. 

  1. Engajamento social

Um erro que muitos empreendedores cometem ao pensar em inovação é associar o conceito à tecnologia e metodologias modernas de administração. Contudo, a inovação vai além e engloba todas as camadas de atuação de uma companhia. Desta forma, engajamento social da marca se faz importante, pois uma empresa inovadora deve direcionar o protagonismo em direções sociais e mostrar que está adequada ao seu tempo.

Fique atento quanto ao que acontece no mundo e não esteja alheio às questões que envolvem a nossa sociedade. Lembre-se: quanto mais identificado o cliente fica com a sua marca, maior a probabilidade de ele fechar negócio com a sua empresa. O mercado consumidor da atualidade está cada vez mais consciente e engajado socialmente. Portanto, as companhias devem atender a essa nova demanda do comportamento do consumidor.

  1. Sustentabilidade

Outra questão muito atual é a sustentabilidade, termo que surgiu a partir da segunda década do século XX, quando emergiu a necessidade de pensar a preservação dos recursos naturais da terra, visto que a industrialização e consumo desenfreado estavam esgotando a capacidade de recarga dos recursos terrestres.

Iniciando na sociedade civil, as pressões por medidas sustentáveis, incluindo da iniciativa privada, não demoraram a surtir efeito, de modo que as empresas de hoje em dia devem atender às demandas da sustentabilidade, que vão desde a eficiência energética, redução do uso do plástico, incentivo à reciclagem e reuso de materiais etc.

  1. Formação de carreira

É comprovadamente muito mais vantajoso e econômico formar profissionais, promovendo treinamento e investindo em cursos, do que tentar buscar profissionais já prontos no mercado. Isso ocorre pois há um tempo de adaptação do profissional a uma empresa e, com o crescimento ocorrendo internamente, o colaborador tende a permanecer mais tempo com a organização, especialmente quando há uma perspectiva de crescimento na carreira.

Desse modo, companhias que investem em formação de carreira tem maior estabilidade e possibilidade de pensar no longo prazo.

  1. Ensino e pesquisa

Além de ferramentas e equipamentos modernos, é necessário, para ter uma empresa inovadora, investir em ensino e pesquisa. Aliando o espírito empreendedor com o conhecimento técnico adequado é possível criar ideias realmente inovadoras, que solucionarão problemas reais do mercado consumidor e de nossa sociedade.

Novas tecnologias para ajudar sua saúde em 2021

Novas tecnologias para ajudar sua saúde em 2021

Inovações tecnológicas ocorrem em alta velocidade no mundo digital, impactando todos os setores da sociedade. Sem sombra de dúvidas uma das áreas que mais evolui com novidades é a da saúde, com inúmeras melhorias tecnológicas que irão beneficiar aos usuários dos serviços médicos, laboratoriais e hospitalares.

A telemedicina já é uma realidade e consolida-se cada vez mais como uma das formas de atender pacientes e auxiliar a eliminar filas de consultas e acompanhamento de tratamentos. E com a melhoria de qualidade de transmissão de dados com a implementação de redes 5G novas funcionalidades serão adotadas, em escala muito maior que a atua. Cada vez mais, consultas serão remotas, pacientes serão monitorados à distância e exames poderão ser efetuados da própria residência.

Outra novidade que irá revolucionar a área de saúde será a utilização da impressão 3D, que será capaz de produzir órgãos artificiais com as características similares a do paciente analisado. Também poderão ser criadas próteses e implantes sob medida, e os exames serão visualizados em três dimensões, o que facilitará a identificação precoce de tumores e o planejamento detalhado e simulado de cirurgias complexas por exemplo.

Com a tecnologia avançada, os dados do paciente estarão agrupados em uma “big data”, uma completa base de dados que permitirá melhor precisão individual de diagnósticos e a informação pregressa sobre cada paciente se transformará em um conhecimento completo sobre cada indivíduo.

Acompanhar a evolução clínica dos exames de cada pessoa ajudará a apontar tendências e prever possíveis enfermidades, iniciando precocemente o tratamento, beneficiando diretamente o paciente e todo o sistema de saúde que seria onerado futuramente pelo custo que a doença, internação e tratamento gerariam.

A inteligência artificial, através de equipamentos robotizados, irá interagir com o corpo clínico e permitirá através de sua memória armazenada e algoritmos, simulações de decisões possíveis em cada caso, estabelecendo os melhores tratamentos e atuando como assistentes em cirurgias, com grande precisão.

Como se vê, a tecnologia chegou para ficar e ajudará cada vez mais a cuidar da sua saúde. Com o passar do tempo, há uma tendência de massificação dos serviços tecnológicos, ou seja, a tecnologia deverá chegar a todos, usuários de serviços públicos e privados. No estágio atual, o uso da tecnologia ainda é um diferencial oferecido por empresas que investem para oferecer essas soluções a seus usuários.

Por Francisco Gomes Junior – advogado sócio da OGF Advogados, formado pela PUC-SP, pós-graduado em Direito de Telecomunicações pela UNB e Processo Civil pela GV Law – Fundação Getúlio Vargas. Foi Presidente da Comissão de Ética Empresarial e da Comissão de Direito Empresarial na OAB

Tendências e desafios em TI para 2021

Tendências e desafios em TI para 2021

Por Leonel Nogueira, CEO da Global TI

A menos de 30 dias para o final do ano, é desafiador pensar em tendências e perspectivas, para o ano que segue. Pandemia de Covid-19, crise econômica, vacinação em massa, fim do isolamento social, flexibilização do home office, estímulos econômicos, muito, ainda é incerto. O certo é que o ano de 2020, assolado pela pandemia, acelerou transformações que, definitivamente, mudaram nossas vidas. Neste contexto, o uso da TI foi fundamental para enfrentarmos os desafios do combate e controle da doença. Estima-se que a pandemia antecipou em cinco anos a transformação digital, já em curso ao longo dos últimos anos.

Deste modo, com a tecnologia cada vez mais presente no dia a dia das pessoas e o mercado voltado à experiência do cliente em sua jornada de consumo digital, o desafio agora é integrar as inovações digitais, assumidas durante a pandemia, a estratégia de longo prazo da empresa. A seguir elencamos algumas tendências e adversidades, em TI, que ajudarão as empresas a manter sua competividade e explorar o crescimento dos negócios.

Times especializados

Com a falta crescente de profissionais qualificados, muitos produtos e inovações podem demorar a chegar ao mercado, e, muitas vezes, ao serem lançadas já não atendem aos requisitos desejados pelos clientes. Ainda que o digital avance rapidamente em nosso dia a dia, é fundamental compreender que a base para a transformação digital é o capital humano. E os melhores resultados são obtidos por empresas que possuem equipes especializadas, multidisciplinares, trabalhando com metodologias ágeis para desenvolver soluções e que coloquem o cliente no centro da estratégia do negócio. Nestes termos, vale considerar a terceirização do total, ou de parte, da equipe de TI como estratégia de negócio para garantir a especialização, a agilidade e a qualidade das entregas da equipe.

Operação anywhere

A Covid-19 nos desafiou ao trabalho remoto e a experiência nos provou que, muitas atividades, é possível utilizar-se desse modelo operacional, permitindo que os sistemas corporativos sejam acessados, entregues e habilitados em qualquer lugar para que as equipes continuem o trabalho, ainda que fisicamente isolados. Pesquisas apontam que, no pós-pandemia, as empresas adotarão um modelo híbrido de trabalho, com algumas funções realizadas presencialmente na empresa e outras funções desenvolvidas de forma remota.

Inteligência dos dados

À medida que as organizações aceleram a estratégia de negócios digitais impulsionadas por uma transformação digital acelerada, cada vez mais, a competitividade no ambiente digital exigirá das empresas tomadas de decisões ágeis e assertivas, baseada em um volume massivo de dados. Para isso, é preciso adotar uma cultura data driven, com dados estruturados, integrados e enriquecidos. Faz parte dessa iniciativa a automação do processo de extração de dados, fazendo uso de inteligência artificial e machine learning para garantir agilidade e confiabilidade na obtenção de dados relevantes, bem como a predição de tendências, riscos e oportunidades de mercado.

Automação total da cadeia de negócio

A aceleração dos negócios digitais exigirá também maior eficiência e agilidade na entrega de valor ao cliente, seja relacionada a produtos ou a serviços. E, para garantir essa agilidade e eficiência, a automação deve ser adotada ao máximo e deve estar integrada em toda a cadeia de negócio. Essa é a chamada hiperautomação, que segundo levantamentos do Gartner, serão essenciais para garantir a sustentabilidade dos negócios.

Cibersegurança

O modelo de trabalho em home office deve permanecer em nosso dia a dia e, desta forma, muitos continuarão a se conectar usando seus próprios dispositivos e suas redes Wi-Fi domésticas, muitas vezes sem a segurança adequada e conectadas a uma série de dispositivos de internet das coisas, que são potenciais vetores de ataque. Sendo assim, o modelo de segurança centrado no perímetro da rede, deverá ser substituído por um modelo de segurança distribuído, focado na segurança dos chamados endpoints (dispositivos, aplicativos, dados, utilizados localmente pelos usuários).

Devido a essa maior distribuição dos usuários, ainda será necessário reforçar as políticas de segurança, utilizando conjuntos de regras dinâmicas e granulares. Contando também com uma infraestrutura adequada para a aplicação e o monitoramento destas políticas. Para isto, será necessário aumentar e melhorar a coleta, o processamento e a análise de dados para gerenciamento de riscos cibernéticos e proteção à infraestrutura em nuvem.

×

Olá!

Clique em um de nossos representantes abaixo para bater um papo no WhatsApp ou envie um e-mail para contato@tempodeinovacao.com.br

× Como posso te ajudar?